Minorca na estrada

Na lista das mais belas ilhas do Mediterrâneo, não poderia faltar a pequena ilha de Minorca (Menorca em língua espanhola), que conseguiu, apesar da sua popularidade, manter-se intacta e autêntica ao longo dos tempos. Com os seus 48 x 16 km de superfície, esta é a segunda maior ilha do arquipélago das Baleares logo a seguir a Maiorca. Esta pequena faixa de terra é um cocktail perfeito de sol, mar, natureza e paz, tudo tomado ao mesmo tempo com um requintado gin de produção local. Destino ideal para qualquer tipo de férias, em pequenos grupos, grupos grandes ou apenas famílias, aqui pode chegar de ferry ou de avião, sendo que a melhor maneira de se mover rapidamente à chegada, com o máximo de flexibilidade, é através de um aluguer de carros de baixo custo – ao qual poderá facilmente aceder no portal de comparação de preços da Auto Europe . Sendo uma das maiores corretoras de aluguer de automóveis do mundo, presente no mercado há mais de 65 anos, garantimos aos nossos clientes ofertas imbatíveis em qualquer categoria de carro, incluindo carrinhas e monovolumes de passageiros, carros de luxo e até mesmo auto-caravanas. Na época alta, incluindo as férias da Páscoa, é altamente recomendável reservar com antecedência pois os carros disponíveis costumam esgotar rapidamente.

Graças à sua posição estratégica no Mediterrâneo, Minorca possui uma longa história e sofreu alternadamente o domínio de muitos povos, incluindo gregos, romanos, cartagineses, vândalos, árabes e até ingleses. Para ter uma ideia do rico passado histórico desta ilha, comece a sua estadia por visitar o popular Museu de Mahon, situado na atual capital, Maó, a qual irá recebê-lo com um belo porto natural e uma encantadora cidade velha pontilhada de praças fervilhantes de vida. A antiga capital, que é ainda um importante centro religioso, fica do outro lado da ilha e tem o nome de Ciutadella de Menorca. Recomendamos uma visita da parte da tarde para que possa apreciar adequadamente os edifícios históricos e, de seguida, parar para jantar e finalmente tomar um digestivo na área cintilante do porto. Porém, se quiser conhecer melhor as origens da ilha, pode admirar a "Naveta d'Es Tudons", não muito longe da Ciutadella, o maior exemplo local de estrutura funerária para sepultamento coletivo, construída inteiramente em pedra, datada de 1200 AC. As surpresas não se ficam por aqui pois em Minorca ainda existem algumas Taulas, monumentos megalíticos que datam de entre 500 – 300 AC., uma reminiscência das estruturas de Stonehenge. Uma dessas estruturas está localizada em Talatí de Dalt, nos arredores de Maó.

Com o seu automóvel alugado poderá realmente tirar partido da riqueza das enseadas de Minorca. Dependendo do seu gosto, pode optar pelas praias mais calmas e arenosas na parte sul da ilha ou pelas mais rochosas e irregulares na parte norte. Independentemente da direção, não espere muitos serviços e apoios de praia a cada passo. Na verdade, os melhores lugares muitas vezes nem sequer os têm. A sudoeste estão os famosos e quase caribenhos Son Saura e Son Bou, com areia branca muito fina, Cala 'n Turqueta, com águas cristalinas de cor turquesa, e muitas outras pequenas pérolas menos frequentadas, como Cala Macarella, Cala Macarelleta e Cala Mitijana. De Cala Galdana, seguindo a linha da costa para leste, perto de Punta Prima, encontra-se uma pequena vila de pescadores saída de um conto de fadas, chamada Binibeca, digna de um desvio extra. De caminho, pode parar para um cocktail no espetacular bar Cova d'en Xoroi, escavado num penhasco com vista para o mar. Ao norte, encontra-se Cala Morell, com muitas cavernas pré-históricas próximas, seguida da quente Cala Pregonda, de areia vermelha característica, a praia Cavalleria e, finalmente, Cala Tirant. Se quiser desfrutar de um delicioso almoço à base de peixe e à beira mar, a vila piscatória de Fornells é conhecida pela sopa de lagosta chamada “caldereta de langosta”, uma suculenta iguaria nativa. Também pode alugar lanchas ou barcos à vela para passeios de mar, de onde pode admirar a ilha de uma outra perspetiva e chegar a enseadas ainda mais selvagens.

Um parágrafo especial dedicado às paisagens, flora e fauna de Minorca para informar que a UNESCO reconheceu a ilha como Reserva da Biosfera em 1993. A peça central deste reconhecimentos é o Parque Natural S'Albufera des Grau, uma área húmida e pantanosa com cinco ilhotas que se estende até à Ilha de En Colom e o Cabo de Faváritx. A riqueza de plantas, incluindo o tamarindo, e de espécies ornitológicas, incluindo várias espécies de patos, é verdadeiramente impressionante. Outra zona muito importante é a "Reserva Marina del Nord" que se estende desde a baía de Fornells até Capo Gros e, no seu interior, entre Cala Barril e Puntal del Mar, onde se podem observar garoupas e lagostas no fundo do mar cristalino e nas rochas. Avistamentos de corvos-marinhos também são frequentes. Mas tal beleza merece ser apreciada na sua totalidade. E por isso pode subir ao ponto mais alto de Minorca, nomeadamente o Monte Toro (358 m). Se não lhe apetece caminhar, pode chegar confortavelmente ao topo com o seu carro e aproveitar para visitar também o santuário da "Verge del Toro".

Como mencionado acima, o gin local é produzido em Minorca desde o século XIX graças à influência dos ingleses que adoravam esta bebida e transmitiram a sua paixão aos Menorchini. A histórica destilaria Xoriguer, fundada em 1700 no moinho da família Pons, está localizada no porto de Maó e, portanto, uma visita a este verdadeiro monumento é uma diversão agradável. Existe uma loja interna onde pode degustar gratuitamente, e comprar, os vários produtos disponíveis. E ainda tem acesso a uma adega onde, pelas janelas, é possível ver as máquinas em pleno processamento. No entanto, se preferir vinho, não ficará desapontado. O cultivo da vinha na ilha não é fácil, dado que sopra frequentemente o vento norte, mas existe e remonta ao final do século XIV. Foram também os britânicos que, mais tarde, durante o seu domínio, encorajaram fortemente a sua produção. No entanto, após um boom de produção no século XIX, a produção foi diminuindo lentamente até quase desaparecer. Apenas desde há umas décadas a esta parte tem sido feito um esforço no sentido de recuperar a produção vinícola da ilha, principalmente dos tintos, incluindo Merlot e Cabernet Sauvignon, mas também dos brancos Malvasia e Chardonnay. Bem no centro da ilha encontra-se a empresa Hort de Sant Patrici, que inclui um hotel, restaurante e loja-museu onde poderá degustar não só os vinhos e queijos da sua própria produção, mas também outras iguarias da ilha. De qualquer forma, mesmo sem sair da capital, para uma visita panorâmica rápida e possível degustação dos produtos e pratos típicos da ilha, pode fazer um simples passeio pelos mercados de Maó, que são muito coloridos e exalam muitos aromas. Quem gosta de doces deve experimentar os pastéis de amêndoa amarga chamados “los amargos”, e a “ensaimada”, um caracol macio, comido vazio ou recheado com vários tipos de chocolate e compota de abóbora. Uma curiosidade: uma das possíveis origens do molho a que chamamos maionese pode ser Minorca – repare-se na assonância do nome do molho com o topónimo Maó, que parece sugerir isso mesmo.

Alguma vez pensou que, num artigo tão pequeno que começou a ler há minutos, está uma lista tão grande de coisas para ver e fazer numa ilha como Minorca? Pois é, os turistas que a escolhem trazem consigo muitas emoções e muita energia positiva. Provavelmente na bagagem haverá também uma garrafa de gin, uma "sobresata" e um "queso di Maó" (respectivamente uma linguiça e um queijo de vaca), as típicas sandálias em couro com sola de pneu chamadas "avarcas" e algumas jóia ou cerâmica finamente decorada. Vá já reservar a sua estadia!